quinta-feira, 18 de janeiro de 2018

O que fazer em Santiago - Palácio de la Moneda

Durante nossos dez dias em Santiago, tivemos a oportunidade de conhecer seus principais atrativos, alguns nos encantaram e outros nos decepcionaram. Claro que tudo depende do gosto de cada turista, cada um tem seu perfil, nós, por exemplo, não curtimos compras e ambientes muito lotados, então, certamente fugimos de ambientes assim. Sempre digo que cada viagem é uma viagem, se quatro famílias viajarem para um mesmo lugar, certamente cada uma terá uma impressão diferente e um lugar para eleger como seu "top 10". Minha pretensão neste blog não é, de forma alguma, apresentar roteiros a serem seguidos, apenas procuro relatar as experiências que vivi, apontando aquilo que foi bom ou ruim de acordo com o meu perfil de viajante ( ou seja: uma viajante que procura economizar ao máximo, que não curte ostentação e que gosta das coisas simples sem precisar passar perrengue).
Mas voltando para Santiago, a cidade tem muitos cantinhos para serem visitados, vou relatar as experiências de minha família por onde passamos em uma série de postagens sobre os principais pontos turísticos de Santiago.
Hoje vou mostrar um pouquinho das duas visitas ao Palácio de La Moneda.

Visita guiada ao Palácio de La Moneda


É a sede da Presidência da República, localizado no centro de Santiago ( Moneda s/n, Santiago ). O prédio é lindo, imponente, só de passar na frente já rende belas fotos turistonas. 
Lá tem duas coisas bacanas: a troca da guarda ( que falarei depois)  e as visitas guiadas.
Nós tivemos o privilégio de participar de uma visita guiada pelo palácio, foi muito bacana! 
Para realizar a visita você precisa entrar no site do governo Clique aqui , clicar em visitas guiadas e fazer a inscrição. Só fique atento, pois o requerimento das visitas guiadas devem ser feitos pelo menos 20 dias antes. Depois da inscrição, eles mandam um e-mail com a data e horário da visita. 
Nossa guia era muito atenciosa, explicava cada detalhe, contava curiosidades e respondia a todas as perguntas com muita atenção.
Se tiver tempo na cidade não deixe de fazer, vale muito a pena e é de graça!

Impossível não se sentir orgulhosa por entrar na "casa da presidenta"

É claro que não éramos os únicos a querer entrar. 


Esse jardim no interior do Palácio é repleto de laranjeiras, um cheiro inesquecível






Nossa guia


Foto turistona nunca pode faltar!

Eu jamais perderia a chance de sentar na mesma cadeira que os chefes de Estado.

A capela, no interior do Palácio.


Troca da Guarda: imperdível!


A troca da guarda não pode ficar de fora do seu roteiro, principalmente se você estiver viajando com crianças. 

Ela acontece desde 1851, em dias alternados, portanto consulte o calendário da cidade para saber se no mês de sua visita a troca acontece nos dias pares ou ímpares.  

A cerimônia acontece às 10 horas durante a semana e às 11 nos finais de semana, no Palácio de La Moneda. 
Vale chegar um pouquinho antes, para pegar um lugar legal. 
Não vou contar os detalhes para não perder a surpresa, mas acredite, é realmente incrível, até com direito a "Aquarela do Brasil" para saudar as dezenas de brasileiros que sempre estão na grade assistindo e, é claro: os brasileiros são os mais empolgados.










segunda-feira, 13 de novembro de 2017

Férias no Chile, Festas Pátrias


Fiquei devendo aqui o término das postagens sobre nossa férias no Chile, em setembro de 2016. Acabei atropelando tudo e passando nossa viagem ao Nordeste na frente, mas finalmente chegou a hora de tirar as lembranças da gaveta e compartilhar esses momentos incríveis que passamos lá.
Vou retomar meus relatos chilenos falando um pouquinho sobre as festas pátrias. Se você for viajar para lá em setembro fique atento.
O feriado das Festas Pátrias ( dias 18 e 19 de setembro) é muito importante para os chilenos, é a data em que em que eles comemoram sua independência. As casas ficam todas enfeitadas com bandeiras e acontecem muitas festas e desfiles cívicos pelo país.
Se você for para o Chile nessas datas, fique atento, pois por volta das 17 horas do dia 17, todo o comércio fecha ( acredite, fecha mesmo) e só reabre no dia 20. Alguns restaurantes ficam abertos, mas supermercados, padarias, farmácias e bancos ficam fechados. A cidade fica praticamente deserta.No Mercado Municipal alguns quiosques e restaurante abrem para atender os turistas. 
Várias ruas do centro de Santiago são interditadas  e fica bem difícil andar de carro por ali, nós estávamos hospedados próximo ao Palácio de la Moneda e na volta de um passeio tivemos que dar algumas voltas para conseguir chegar ao nosso flat.
Mas calma! Não é tão ruim assim ir para Santiago nesta data. Apenas se organize com as compras, armazene água, guloseimas e o que mais for precisar e tudo estará tranquilo... Alguns passeios como Cajon del Maipu, Vinna del Mar e Portillo podem ser uma boa opção. Mas esqueça Valle Nevado, museus e as vinícolas.Nós optamos por Cajon e Vina. Também decidimos visitar uma fonda, que eu classifico como o maior mico da nossa viagem.
As fondas, que são as festas típicas chilenas, acontecem durante todo o mês, achei bem parecido com as nossas festas juninas. São festas onde tem shows, danças típicas, barraquinhas de comidas, artesanato e brincadeiras.
Perguntamos para algumas pessoas qual seria a melhor fonda da cidade, e resolvemos ir na que nos foi indicada. Neste dia, estávamos sem carro, era o primeiro dia do feriado então fomos de táxi. A entrada nos custou 8.000 pesos ( por pessoa) e lá dentro os preços eram bem carinhos. Para você ter uma ideia, um espeto de churrasco custava 5000 pesos, quase 25 reais. 
Ficamos um tempo sentados no gramado, de frente para o palco, mas o primeiro show começaria só à noite, e não tivemos paciência para esperar. Valeu pela experiência, mas confesso que esperava algo um pouco mais animado e menos caro.
Eu queria muito ter visto o desfile, mas não foi possível, pois tínhamos reserva em Vina del Mar e as datas não bateram, foi mesmo uma pena, pois ouvi dizer que os desfiles são incríveis.

















terça-feira, 7 de novembro de 2017

Maceió, era lá que o sol estava!


Saímos de João Pessoa rumo a nossa última capital: Maceió.
À essa altura já estávamos acostumados com o chuva, já tínhamos nos apegado ao nosso Duster, e tudo era festa.
Quando chegamos a Maceió fomos agraciados com o maior presente de todos: o Sol. 
Lá estava o céu azul que tanto queríamos ver, e posso afirmar, o Nordeste é mesmo lindo!
Nossa hospedagem era na Praia do Francês, a uma distância de 24 quilômetros de Ponta Verde, uma das praias mais bonitas e movimentadas de Maceió. 
Decidimos ficar por ali mesmo e só ir no final da tarde para a Praia do Francês.
Como sempre, quando paramos o carro na praia, fomos logo abordados por um senhor nos oferecendo um passeio de jangada, segundo ele, a maré estava baixa e ainda dava tempo de aproveitar a piscina natural. 
Nós estávamos com tanto medo do tempo virar e de perder a oportunidade de passear de jangada com o céu azul, que nem paramos para verificar se aquela informação era verdade, se aquele era mesmo o melhor horário da maré para o passeio.
Lá se foram mais cem reais bem gastos ( gastar com passeios, sempre é gastar bem). A jangada nos levou a um ponto onde a água batia um pouco acima da minha cintura, não era bem o que eu maginava como piscina natural, não tinha peixinhos nem corais, parecia mais um banco de areia no meio do mar, mas valeu a pena, estávamos felizes pelo sol, pela temperatura da água, pelo céu azul... Enfim: foi lindo andar de jangada aquele dia!



Depois do passeio aproveitamos um pouco a orla, e comemos o nosso Mc donald's do dia ( aliás, preciso dizer que foi o lugar em que mais comemos nesta viagem, pois decidir o que comer e agradar aos quatro era sempre um desafio pra nós, além do receio que tínhamos de alguém passar mal com temperos que não estávamos habituados) e seguimos para a Praia do Francês.
Posso afirmar sem medo de errar que Maceió me conquistou, adorei a orla, o clima gostoso da cidade e aquele mar verdinho.



Praia do Francês e a Pousada Sempre Graciosa

A Praia do Francês é uma vilinha bem simpática, o centrinho tem várias lojinhas de lembrancinhas, nada diferente daquilo que vimos nas capitais por onde paramos, mas o clima lá é bem diferente de tudo o que encontramos até então... Um ambiente onde parece que todos se conhecem, aquele ambiente interiorano que te acolhe e te faz ter vontade de desistir da vida agitada da cidade e viver ali pra sempre. O que não deve ser raro acontecer, diante da quantidade de gringos que tem comércio por ali.
Nossa pousada foi a melhor surpresa da viagem. Um lugar delicioso que indico sem medo de errar. 
A pousada é extremamente limpa, bem cuidada, oferece um bom café da manhã com omeletes e tapiocas preparados na hora. Fica bem pertinho da praia e tem bolos deliciosos que ficam à disposição dos hóspedes o dia todo.    (www.sempregraciosa.com.br)







Estava tudo perfeito! Jantamos num restaurante ali bem pertinho, chamado Armazém Brasil, embalados pela música boa de um artista local, chamado Edy Navarro. O cara era uma simpatia, até chamou a Bia para cantar com ele.

No dia seguinte, sabe quem apareceu? Sim!!!!! Ela!!!!! A chuva!
Uma coisa devo dizer sobre a chuva no Nordeste: não desista de se divertir por causa dela. É aquele tipo de chuva que vai e volta o tempo todo, não chega a ficar frio, então de certa forma dá para aproveitar o passeio, embora o mar não fique dos mais bonitos de se ver.
Fomos até a Praia do Gunga, mas quando chegamos lá a chuva apertou e decidimos voltar. Esse é o ponto positivo de estar de carro alugado, se estivéssemos de receptivo, não teríamos como refazer os planos.
Se você for de carro, vale lembrar que é cobrada uma taxa para entrar na praia, onde tem toda estrutura de estacionamento e várias opções de quiosques, que oferecem cadeiras e guarda-sol, desde que você consuma algo.
Voltamos para a Praia do Francês e por ali ficamos, na esperança de que no dia seguinte o sol voltasse. E ele voltou!
Foi uma decisão acertada, o dia seguinte amanheceu lindo e fomos direto para a Praia do Gunga, que na minha humilde opinião de turista empolgada é a melhor praia, pois tem o mar e tem o rio, você pode escolher onde ficar.
O ponto negativo de Gunga, é a quantidade de ambulantes que te abordam o tempo todo. Te oferecem de tudo ali: foto, óculos, chapéus, tapetes, comidas e até massagem. Lá, como a maioria das praias muito movimentadas, também tem atrativos como banana boat, passeios de barco, de escuna, de lancha, de buggy, de tudo o que você possa imaginar.
Passamos momentos deliciosos por ali, se for para Maceió, nunca, nunca deixe de visitar a Praia do Gunga!






Voltamos à Praia do Francês e curtimos o final da tarde por ali, era nosso último dia de viagem e eu já estava sentindo saudades daquele lugar. Uma coisa era certa, a despedida seria dolorosa.
Mas antes de terminar, preciso falar sobre comida! A Praia do Francês tem muitas opções. São inúmeros restaurantes para todos os gostos e bolsos.Comemos picanha, parmegiana, hambúr- guer  artesanal e até o churros do irmão Jaelson, uma daquelas pessoas locais que fazem toda a diferença. 











Você começa a perceber que é hora de voltar quando seu creme dental, cremes e sabonete estão acabando... As roupas na mala já estão todas amarrotadas e seu cabelo já pede socorro. Sim, era hora de arrumar as malas pela última vez naquelas férias pelo Nordeste chuvoso ( e delicioso).
No dia seguinte, após nosso café da manhã, seguimos viagem para Aracaju, de onde sairia nosso vôo rumo a São Paulo.
Na bagagem, muitas lembranças, experiências maravilhosas e aquele sentimento delicioso de estar juntinho das pessoas que você ama e que realmente importam na sua vida.
Amei estar tão próxima das minhas filhas, do meu marido... Dividimos muitas vezes o mesmo quarto, horas dentro do carro, horas de tédio, de estresse e muitas, muitas horas de piadas, brincadeiras e gargalhadas escandalosas.Adorei as noites de quarto compartilhado em que não parávamos de conversar e rir de coisas tão bobas. No final de tudo, é isso que importa, é estar juntos, independentemente do tempo, da paisagem, da comida boa ou ruim. Sempre digo que os momentos que colecionamos é nosso maior tesouro, pois dessa vida nada levamos e o que deixamos são só lembranças.